setembro 2009


Em nome dos nosso amigos, agradecemos, especialmente, aos twitteiros que nos ajudaram a divulgar os acontecimentos da última quarta (23/09). twitter

Sendo assim, em REPÚDIO À HOMOFOBIA, haverá um beijaço em frente ao bar LEBLON – 208 SUL.

Quarta-feira, 30/09, às 20h00.

Para informações precisas e atualizadas:

Olá, pessoal!

Vejam a reportagem que o Correio Brasiliense fez com nossos amigos sobre o impropério que aconteceu no bar Leblon na última quarta-feira!

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2009/09/26/cidades,i=144526/BEIJO+ENTRE+HOMOSSEXUAIS+VIRA+CASO+DE+POLICIA+NA+ASA+SUL.shtml

Abaixo, a cópia da reportagem:

Beijo entre homossexuais vira caso de polícia na Asa Sul Após trocar uma carícia no rosto, dois amigos homossexuais são convidados, pelo dono do bar onde estavam, a se comportar de “maneira adequada”. O caso para na delegacia
Naira Trindade

Publicação: 26/09/2009 08:15 Atualização: 26/09/2009 08:44

Jomar Moreno, da OAB:  
Jomar Moreno, da OAB: “Todo ato discriminatório deve ser proibido”

Cinco amigos atores — todos homossexuais — sentaram-se a uma mesa de bar. Um beijou a face do outro como demonstração de carinho. A atitude causou irritação no proprietário do estabelecimento, que pediu que os jovens se “comportassem” enquanto permanecessem no local. A intimidação constrangeu os rapazes e eles se retiraram do espaço. A noite que deveria ser de diversão terminou na 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), com o registro de uma ocorrência sobre ofensa ao direito à personalidade, garantido pela Constituição Federal.

As vítimas não formam um casal homoafetivo. Jonathan Andrade, 27 anos, e Eduardo Dutra, 25, são amigos. Na última quarta-feira, eles escolheram o Bar Leblon, na 208 Sul, para uma conversa regada a chope. Chegaram às 23h e pediram as bebidas. Antes mesmo que elas fossem servidas, Eduardo abraçou o amigo Jonathan e afirma ter lhe dado um beijo no rosto. Em menos de 10 minutos de permanência do grupo no bar, o gerente José Geraldo Vieira aproximou-se educadamente e pediu que os dois não se abraçassem ou se beijassem enquanto estivessem no local.

A repressão causou indignação nos jovens. Eles se levantaram e acompanharam o gerente que se retirava após passar a mensagem. Queriam saber qual era o problema em manifestar afetividade em um espaço aberto ao público, como um bar. “Dava para perceber o constrangimento do gerente ao fazer o pedido. Parecia uma recomendação do superior dele”, observa Dutra. Durante a conversa, Pedro Diniz, 27, um dos três proprietários do estabelecimento, apareceu e convidou os jovens a continuar aquela conversa na calçada do lado de fora do bar, distante das mesas de clientes que assistiam a um jogo de futebol e ouviam música alta.

“Fomos levados para fora do local e lá o proprietário disse que não queria esse tipo de atitude (beijo entre pessoas de mesmo sexo) no bar dele, como se estivéssemos fazendo algo errado”, revolta-se Eduardo, que tem uma relação estável com um homem há cinco anos. Nem Jonathan nem Eduardo sentem vergonha em assumir a homossexualidade. O imbróglio envolvendo o grupo de amigos teria se iniciado na sexta-feira, dia 18, quando eles comemoravam um aniversário no mesmo bar. “Naquela noite, um dos nossos amigos deu um ‘selinho’ no namorado”, lembra Jonathan. Os jovens acreditam que o dono do bar lembrou-se do episódio e quis evitar que se repetisse.

Defesa
A versão é confirmada por Pedro Diniz, que alega que beijos excessivos — tanto entre heterossexuais quanto homossexuais — são reprimidos. “Se fosse um casal de heteros desrespeitando os outros clientes, a gente também pediria para parar. Nosso público é familiar.” Diniz garante que não expulsou o grupo: “Só pedi que eles se comportassem de maneira adequada. Não posso perder 10 mesas por causa de uma”.

A aversão a homossexuais — conhecida como homofobia — não é considerada crime no Brasil. No entanto, a discriminação contra raça, sexo ou gênero é crime de ofensa aos direitos da personalidade. “Todo e qualquer ato discriminatório deve ser terminantemente proibido. Se a atitude não foi nada que atentasse ao pudor de quem estava no local, ninguém tem o direito de recriminar. Eles são seres humanos e merecem respeito”, explica o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Jomar Alves Moreno. “A atitude cabe ação cível com direito a danos morais. Separar o local como ambiente familiar é outro erro. Homossexuais podem constituir uma família e adotar filhos”, completa.

Professora da Universidade de Brasília e doutoranda sobre relações homossexuais, Suzana Viegas complementa que existe uma proteção sobre a orientação sexual das pessoas. “O artigo 3º, inciso 4º da Constituição protege todas as pessoas de qualquer forma de discriminação, seja ela gorda, magra, negra, branca, hetero ou homossexual. E o fato de eles não formarem um casal só mostra que a ação foi arbitrária. É preciso ter respeito ao princípio da dignidade.”

O Núcleo de Atenção à Diversidade e Enfrentamento à Discriminação Etnorracial, Sexual e Religiosa (Nudim), da Secretaria Especial de Direitos Humanos do DF, acompanha há cinco meses episódios de preconceito na capital. “O órgão é novo e ainda não fizemos um levantamento da quantidade dos casos, mas estamos acompanhando e vamos verificar essa caso”, explica a chefe do núcleo, Carol Silvério.

PROJETO DE LEI

O artigo 2º do Projeto de Lei Federal 5003, de 2001, altera uma lei de 1989 que define como crime preconceitos de raça, cor ou sexo. No projeto, fica proibida a adoção de qualquer prática discriminatória e limitativa para efeito de acesso a emprego, ou sua manutenção, por motivo de sexo, orientação sexual e identidade de gênero, origem, raça, cor, estado civil, situação familiar ou idade, ressalvadas as hipóteses de proteção ao menor. O projeto prevê punição de dois a cinco anos de reclusão para quem discriminar outra pessoa pelas razões citadas. Àquele que impedir ou recusar o ingresso ou permanência em qualquer ambiente ou estabelecimento público ou privado, aberto ao público, a pena será de um a três anos de prisão. No entanto, o projeto tramita no Senado, sem previsão para ser votado.

TELEFONES
Denúncias de discriminação sexual podem ser feitas para o Núcleo de Atenção à Diversidade e Enfrentamento à Discriminação Etnorracial, Sexual e Religiosa (Nudim) pelos telefones 0800 647 1407, 3322-9368 ou 3224-4898.

Para saber mais

Beijaço para protestar

O corte da cena de um beijo entre atores de mesmo sexo na novela América, da Rede Globo, em 2005, gerou comoção nacional. Várias cidades do país promoveram um beijaço como forma de protestar contra o preconceito. A ação se repetiu em Brasília, quando um casal de homossexuais sofreu represálias ao se beijar à beira das piscinas da Água Mineral. Anos antes, em outubro de 2003, dezenas de brasilienses se reuniram no Bar Beirute, na Asa Sul, para se manifestar contra garçons que constantemente pediam aos casais de homens ou de mulheres que parassem de se beijar. Os funcionários argumentavam que o ato desrespeitava o local.

INDIGNAÇÃO!

Indignação é o que nós, integrantes do De bar em bar, estamos sentindo hoje.

Calma, vou lhes explicar o porquê. Estávamos nós, como em toda quarta-feira, avaliando um novo bar. Em breve, publicaremos esta avaliação… E, quando fechamos a conta, ligo pra uns amigos com os quais iríamos nos encontrar e, ao perguntar onde eles estavam, me respondem: NA DELEGACIA!

Achei que era brincadeira e perguntei de novo, ao que ele me dá a mesma resposta: NA DELEGACIA!!!

Depois de alguns minutos de conversa, descobrimos que eles foram EXPULSOS DO BAR LEBLON, que fica na 208 sul, em Brasília/DF, porque dois deles estavam abraçados e um deu um beijo no rosto do outro.

E olha que nem foi um beijo na boca, ou um amasso com força como tantos frequentadores de vários bares costumam fazer…

Ficamos PASMADAS! SEM ACREDITAR! Acaso, não podem dois amigos expressar afeto em público? Desde quando duas pessoas não podem se beijar em um bar?

Mas, percebemos que a pergunta não era essa, senão: Que mente é essa que usa do poder e da autoridade a ela concedidos para julgar e culpar, em poucos segundos, um comportamento que, PARA ELA, não é normal?

Desde quando o que não é comum para mim, não é comum para o mundo?

Algumas pessoas imaginam que seus conceitos arcaicos e retrógrados são verdades absolutas e não percebem que, assim como tudo que existe no mundo, elas também devem evoluir. Julgar um comportamento com base no que apenas uma pessoa considera ético, moral e normal é limitar toda uma evolução ao que ela alcançou até agora!

Vivemos em um país livre e laico. Tudo bem expulsar alguém por conduta agressiva, imoral ou que estimule a violência. Mas, expulsar um grupo de amigos por expressarem carinho entre eles é assumir a violência para si. É instalar um pensamento de preconceito e desrespeito no ambiente em que se quer proteger em nome da verdade, da moral e dos bons costumes. Que costumes são esses? Quem o elegeu o detentor de tanto saber?

Há um consenso de que religião, política e futebol não se discute em bares. Mas, gostaríamos de ir além. Muito mais do que respeitar essas escolhas individuais que nos caracterizam e personificam, há também o respeito à orientação sexual de cada um. Não é porque a maioria se comporta de um jeito que só aquela norma é admitida como padrão social.

Muito antes de sermos católicos ou budistas, democratas ou comunistas, flamenguistas ou vascaínos, somos seres de uma mesma raça: a RAÇA HUMANA. E não se trata um humano, independente de suas escolhas, posição social ou orientação sexual, como um animal a quem se pode expulsar por um arbítrio leviano, preconceituoso e inquisidor.

 Ao bar LEBLON, ainda fica uma única palavra: INDIGNAÇÃO! INDIGNAÇÃO! INDIGNAÇÃO!

Como podemos querer nivelar a todos pelo que se é um só? Como se os conceitos de uma pessoa fossem o registro fiel de tudo quanto pensam e sentem os demais. Por que obrigar a quem sempre andou sobre seus pés, a se curvar até rastejar e alcançar o lugar onde está a outra pessoa?

Somos indivíduos únicos e a responsabilidade que cabe a cada um é intransferível e muito importante frente a este conjunto que se nomeia humanidade. Por isso, nós do De bar em bar convocamos a cada um para que reflita e julgue o mundo que estamos construindo.

Onde está a máxima que nos guia há séculos, AMAI-VOS UNS AOS OUTROS? Onde está o respeito, a tolerância e a união que nos faz um só povo? Onde está a dignidade, a ética e a moral que deveria nos guiar em tudo o que pensamos, sentimos e fazemos?

Onde está o espírito que nos diferencia dos demais reinos da Terra e nos dá a graça de sermos HUMANOS?

São muitas as perguntas sem respostas. São muitos os impropérios que uns e outros cometem em nome do bem, da verdade e da manutençaõ de uma causa que só depõe contra quem o faz.

Ir contra essas injúrias e difamações é estabelecer uma nova ordem onde a agressão, o abuso de poder, o desrespeito e o preconceito serão invalidados por uma postura de tolerância, respeito, compreensão e bem-viver que dizima toda e qualquer forma de violência.

Saber que todos somos diferentes e que não há um só modelo social a se seguir é um começo para aprender a cultivar a tolerância. E é a tolerância a maior arma contra a violência.

Como somos contra toda e qualquer forma de violência, pedimos que uma avaliação séria seja feita sobre este que poderia se considerar um pequeno incidente, mas que denota uma séria e inflexível postura de preconceito e desrespeito a outros seres humanos.

Podia ser eu? Podia ser você? Podia ser alguém a quem muito queremos bem? Claro que sim! Porque se nada é feito agora, o abuso cresce e toma proporções que nos aprisionam em um futuro muito próximo. Em um futuro que não queremos presenciar!

INDIGNAÇÃO! Essa ainda é a palavra que melhor expressa o que nós, integrantes do De bar em bar, estamos sentindo hoje. Porque pensar que a violência está logo ali, dissimulada entre bonitas vestimentas, faces bem maquiadas e sorrisos de soslaio é admitir que, daqui a pouco, ela estará dentro de nós. E esse não é o futuro que queremos construir!

Ainda somos todos de uma mesma raça: A RAÇA HUMANA!

Somos todos da raça humana!

Somos todos da raça humana!

Oi, meu povo!

Esta semana fomos ao Líbanus. Foi TUDO DE BOM! A noite estava bem animada e tivemos, mais uma vez, várias visitas…

Chegada:

Chegamos quase que juntas: Eu, Tati, Paty e Cat. Além do Gabriel, nosso visitante pela segunda semana consecutiva!

Catarina foi mais pra deixar uns papéis com a gente. A bichinha tava bem gripada e se sentindo mal. Mas, como boa guerreira que é, tomou a primeira rodada com a gente. Um VIVA pra Cat!!! E melhoras também, claro!

O primeiro brinde da noite!

O primeiro brinde da noite!

Repararam o Gabriel aí na foto. Pois é, ele estava com muita sede e bebeu antes de brindar, pode? E, todos sabemos o que dizem: Beber sem brindar, sete anos sem… Pobre menino!!!

Ah! E a Tati não aparece na foto. Sabe por quê? Esta pobre integrante do De bar em Bar está há quatro semanas sem beber! Não sei se é pior que a sina do Gabriel! Mas… Já que não brinda, tira a foto, né?!

Olha o humor de quem não bebe!...

Olha o humor de quem não bebe!...

Os Bebes do Bar:

De acordo com o nosso garçom, Zé Alves, a cerveja era tão gelada que dava câimbra até em língua de pingüim! Hehehe. Essa é ótima, né?!

Apesar do exagero na imagem, a cerveja realmente estava gelaaadaaa!

Mas, vamos aos preços:

  • Cerveja em garrafa – Antártica – R$ 4,70;
  • Refrigerante – R$ 3,00.

Os Comes do Bar:

Pra variar, chegamos morrendo de fome! Mas, cada um queria uma coisa, assim, fomos atrás de sanduíches ou pratos individuais. E, qual não foi nossa surpresa ao constatar que não há sanduíches no Líbanus e os pratos individuais são escassos. Uma pena!…

Aí, Gabriel foi de quibe, eu e Paty de porção de calabresa e Dani Pereira e o Dandan foram na carrocinha de cachorro quente que tem alí perto.

Por falar em Dandan, é a terceira vez que nos visita e a terceira em que come fora. Será que essa mania pega?

Olha que coisa mais fofa!

Olha que coisa mais fofa!

No final, as impressões dos Comes foram todas boas! Gabriel soltou a pérola: “O kibe tá bom pá carái” que, segundo ele, resume bem sua avaliação. A porção de calabresa é ótima e muito bem servida, levemente apimentada. AMEI! Também achamos um prato bem diferente: FRITAS À CATARINA (com queijo parmesão e orégano), não deu pra provar. Mas, fica como sugestão, ok?

É tudo de bom!

É tudo de bom!

Vamos aos preços:

  • FRITAS A CATARINA – R$ 11,90;
  • Kibe Libanus (em formato de coração) – R$ 7,40;
  • Kibe – R$ 3,60;
  • Porção de Calabresa – R$ 21,50

Cliente Assíduo:

Depois de tantas semanas sem um cliente assíduo, preparem-se… Aí vem ele: Julio Cesar, só não é um imperador porque essa época já passou!

Logo que perguntei seu nome, disparou: pra você, pode chamar de “meu amor”. AMEI! Simpático e muito alegre, há 12 anos fecha suas noites no Libanus, já tem até conta no bar! Olha que prestígio!

Diz que é muito bem tratado. Na verdade, seu tratamento é VIP! É levado em casa (Valparaíso de Goiás) sem ser cobrado, pode?!

O que ele faz da vida? É assaltante de banco! Foi o que ele nos disse… Hehehe

PS.: Ele tem 5 celulares! Por que tanto celular? Não deu pra perguntar… Ele foi embora antes. Fica pra vocês imaginarem, ok?

Também não deixou a gente tirar fotos. Triste, né?! Nem tudo é perfeito nessa vida!…

Banheiros:

São longos 17 degraus para se chegar a ele. Há vários boxes e espelhos! Tem álcool em gel e sabonete líquido. Bem limpo para os padrões de bar! Nota: 8.5. Faltou alguma coisa. Um toque especial, sabe?!

Olha que trio mais bonitinho!

Olha que trio mais bonitinho!

Nossas Visitas:

Beatriz, Gabriel, Danielle, Dandan e Cristiano. Lembram do Cristiano? O amado da Paty. Pois é, ele voltou. Ôba! Ôba!

O Gabriel já apareceu lá em cima, aquele que furou o brinde… Pobre menino!!!

Também a Bia é a segunda vez consecutiva que nos visita. Será a mais nova integrante do De bar em bar? Será um prazer, linda!

Dandan, assim como o Gabriel, nos visitou pela segunda vez!

E a terceira Dani da mesa é a amiga do Gabriel que foi nos encontrar. Animada e bem alegre, completou nossa lista de visitantes da noite.

O nosso amor continua lindo! Tão lindo!

O nosso amor continua lindo! Tão lindo!

Obrigada a todos pela presença! Vocês foram ótimos!!!

Curiosidades:

  • Dani dos Anjos se revelou a numeróloga do De Bar em Bar (não foi bem assim, mas…). Também empenhou sua palavra que na próxima quarta haverá revelações na mesa! (Aguardem!…)
  • Há serviço de manobrista para levá-lo em casa após algumas cervejinhas! Não é tudo de bom?!
  • Não aceita cheque! Mas, valem cartões e dinheiro…

Conclusões:

Enfim, adoramos o Líbanus! Um bar bem frequentado, com cerveja gelaaadaaa e cara de happy hour.

Pra quem tá afim de se divertir e bater um bom papo, é o lugar ideal!

Eita povo feliz!

Eita povo feliz!

Até semana que vem, lindos!

Olá a todos!

Esta semana o De bar em bar foi MARAVILHOSO! Mas, não poderei publicar nossas avaliações ainda… Farei isso em breve, ok?

Porém, para que vocês, nossos blogueiros (esse termo existe mesmo?), não fiquem tristes… Vou postar uma mensagem do Luís Fernando Veríssimo que recebi essa semana e AMEI!!!

Conto de fadas para mulheres do século 21

Era uma vez, numa terra muito distante, uma linda princesa independente e cheia de auto-estima que, enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo estava de acordo com as conformidades ecológicas, se deparou com uma rã.

Então, a rã pulou para o seu colo e disse:

– Linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Mas uma bruxa má lançou-me um encanto e eu me transformei nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me transformar de novo num belo príncipe e poderemos casa e constituir um lar feliz no teu lindo castelo. A minha mãe poderia vir morar conosco e tu poderias preparar o meu jantar, lavaria as minhas roupas, criaria os nosso filhos e viveríamos felizes para sempre…

E então, naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã à sautée, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria e pensava:

– Nem FO…..DEN…DO!!!

FIM!!

(Luís Fernando Veríssimo)

Boa, né?! Sei que é um pouco feminista… Mas é de ARRASAR essa princesa! Ainda chego lá! Hehehe

Beijos e até breve!

Nossa última aventura…

Meu povo, foi DEMAIS! TUDO DE BOM! O MELHOR DE TODOS OS TEMPOS!!!

Não, não é exagero! É a mais pura verdade! Quem esteve lá pode confirmar!…

Pela primeira vez, vivemos um empate entre convidados e as poderosas do De Bar em Bar, 6 X 6. Só a Catarina não pôde ir dessa vez! Senão, além de ganharmos em número na mesa, ainda teríamos, pela primeira vez, as sete na mesma noite. Bafão, né?!

Olha, recebemos nossa convidada, várias visitas, familiares, vimos o Brasil ganhar de 4 X2 do Chile e quase ganhamos 20 chopps. É pouco ou quer mais? Além de nossa habitual alegria contagiante e carisma!

Então, vamos lá!

Chegada:

Chegamos mais cedo, 20h30, porque queríamos pegar uma mesa privilegiada para ver o jogo do Brasil! Mas, nosso convidado carioca já tinha reservado uma mesa bem em frente ao telão! Uma área VIP! =) Viva o Rafael!!!

Nossa ultra, mega mesa!

Nossa ultra, mega mesa!

Já chegamos arrasando e tentando, com a ajuda dos deuses, acertar o placar do jogo do Brasil com o Chile. 20 chopps vale o esforço, né!!!

Claro que quando acertar o placar é com as mulheres, é um pouco mais difícil… Nada contra esse dom natural nosso de intuição. Mas, mesmo com seis chutes, não conseguimos… É! Fica pra próxima!

Nossa convidada, Bia, chegou bem no início. Isso que é menina pontual! Parabéns, Bia! Nossos convidados foram chegando aos poucos, assim como as meninas do grupo. Lá pelas 22h, estávamos com o grupo de 12 pessoas na mesa. Isso é que é uma galera animada! O que fizemos? Não, melhor… O que não fizemos! Hehehe…

Mesa Cheia!

Mesa Cheia!

Os Bebes do Bar:
Como sempre, tivemos que beber pra podermos avaliar a qualidade do material! O chopp era tudo de bom, com a vantagem de vir com ou sem colarinho!!! ADORAMOS!!!
Quem tomou a caipiroska também aprovou! Algumas de nós não beberam… Prefiro não comentar! Mas, todas achamos que o atendimento é rápido e eficiente. Parabéns pessoal!
Aí vão os preços:
  • Chopp Brahma – A taça do chopp é tão fina que parece que vai quebrar – R$ 4,59;
  • Caipiroska – Boa, mas muito cara! – R$ 10,90;
  • Refri – R$ 3,70;
  • Cerveja Bohemia escura  – R$ 3,50.
Oh! Vida difícil!

Oh! Vida difícil!

Os Comes do Bar:
Pra variar, chegamos morrendo de fome! Começamos pelo “Filé ao Molho Madeira” que estava… Bom… Bom! Mas, faltava algo, sabe? Talvez o tempero, a escolha do filé…
A carne estava bem passada, mas não era nada “ohh”. E o pão que o acompanhava estava um pouco duro. Quer tentar por você? Peça e fale pra gente o que você achou! Mais de uma opinião é sempre bom!
Olha a calabresa, aí!

Olha a calabresa, aí!

Depois, fomos para o “Espetinho de Picanha”! Uma delícia! Gotoso!!! E os acompanhamentos estavam perfeitos (farofa, vinagrete, tropeiro). Recomendamos!!!

Como a noite continuava e o Brasil seguia fazendo gols… Mais um prato, dessa vez… Porção de Pastel. Ela veio quentinha e muito boa! Pra fechar, “Quibe do Tampinha” e “Porção de Calabresa” (Adoooro calabresa! Pra mim, a melhor da noite. E olha que foi oferta dos visitantes do De bar em bar! Amo visitas! Hehehe)

Onde está o Tampinha?

Onde está o Tampinha?

Aí vão os preços:

  • Filé ao Molho Madeira – R$ 23,00;
  • Espetinho de Picanha – R$ 6.80;
  • Porção de Pastel – R$ 10;
  • Quibe do tampinha – R$ 3,50.

Banheiros:

Normalmente, eu e Dani Pereira é que os avaliamos. Mas, desta vez, esquecemos.. Pode? E olha que não foram poucos chopps! (Minha bexiga deve estar se expandindo… Será que isso acontece sem que eu ganhe peso? Hehehe)

No entanto, para nossa salvação, Camila passou as informações: Banheiros meio que fora do bar. O acesso é via escada. o que dificulta quando o número de chopps passa de dois ou três… Não é um exemplo de banheiro, mas é limpo e tem papel! Enfim, nota 8 pra ele!

Tampinha:

Fui obrigada a abrir um tópico só pro Tampinha! Ou melhor, Tampinha Pereira Mormaço Futebol Clube. Ele  é o garçom volante super simpático do Armazém do Ferreira.

E tem até comunidade no Orkut: “Nós amamos o Tampinha!” Eu que sou eu não tenho, meu povo. Olha que bafão!

Oh! Alegria!

Oh! Alegria!

  • Piada do Tampinha: Qual a diferença da Coca para o gato? O gato mia e a Coca light. (Pegou? É ótima, né? Já decorei e estou passando pra frente! Hehehe);
  • Rodadas do Tampinha, esse é o nome de uma área do cardápio separada só pra ele, pode? Empadinha,quibe (R$ 3,50), Mini Sanduíche, Espeto (R$ 6,80). O que você quiser, ele tem!;
  • Ele nos deu um brinde: Sanduíche de Pernil (Tudo de Bom!);
  • Carisma, sensualidade, lindo, absoluto… Só não é Stéfani, porque é o Tampinha! Viva o Tampinha!!! E todos os seus bottons…

Nossas Visitas:

Nooosaaa! Foram tantas!

Começarei pela convidada do mês: Beatriz Vinhal, que deixou seu depoimento: Meninas, estou adorando o “de bar em bar”.

Nós também adoramos sua visita! E olha que ela foi eleita ao responder nosso e-mail. Isso é que é esforço!

Nossos demais convidados foram: Gabriel, Douglas, Vital, Rafael e Marcos.

Nossos visitantes lindos!

Nossos visitantes lindos!

Gabriel e Douglas tiveram de sair mais cedo e deixaram uma porção de calabresa pra galera. Ôba! Ôba!… Mas, nem tudo é festa… Notícia desagradável: Gabriel foi multado por parar em fila dupla. Logo, se for a esse bar, pare no lugar certo, hein!

No final, totalizaram 6 convidados. Nosso record de visitas!

Mas, quando é que vai ser você? É! Você mesmo que agora nos lê… Faça alguma coisa, movimente-se e nos visite, pessoa! Vamos ADORAR!!!

Curiosidades:

  • Nas paredes, há painéis com imagens do Rio de Janeiro da década de 50. Mara! Maravilhoso, pra quem não sabe!;
  • Há bufê de feijoada durante o almoço no fim de semana. (Eu não como feijoada, mas pra quem gosta… Corre pra lá!);
  • Todo dia de jogo (Normalmente, 4ª-feira) tem bolão valendo 20 chopps! SIM! São 20 chopps! E não paga nada para participar. Mara!;
  • Nosso garçom foi o Tom (de Tom Cruise!) – Atencioso e engraçado. Conhece até a linguagem de surdo mudo praticada por Daniella dos Anjos. (Particularmente, qualquer um com um pingo de intuição a compreende… Esse pessoal!);
  • Estávamos acostumadas a chamar o garçom de “psiu”, mas no Armazém do Ferreira é diferente: o garçom chama o cliente por “psiu” I-N-U-S-I-T-A-D-O é pouco! Adoramos!!!
  • Quando o jogo ficou bom… Tampinha resolveu se sentar pra não perder nenhum lance! Confere aí na foto!

  • Isso é que é privilégio!

Conclusões:

Armazém do Ferreira e Bar Brasil é tudo de bom!

As poderosas do De bar em bar!

As poderosas do De bar em bar!

Lá tem Tampinha, Chopp gelaaado, promoção pra ganhar 20 chopps (só a ideia já atrai, né?!), garçons mais do que prestativos e parecidos com o Tom Cruise (Ôba! Ôba!), comidas pra todos os gostos e preços na média de Brasília. E, se você der sorte… Tem a gente! Hehehe

Enfim, tá a fim de curtir, vai pra lá!!!

Beijos e até o bar desta semana!

Para aqueles que nos acompanham… TRISTEZA!

O De bar em bar não conseguiu se reunir nesta quarta-feira…

Que tristeza!

Que tristeza!

Das sete amigas, QUATRO estavam TRABALHANDO e outra estava ajudando amigos no TRABALHO. Logo, não houve pra onde correr!

Por que a gente trabalha tanto?

Eita, vida cruel!

Eita, vida cruel!

Pra ficar mais bonita? Indiretamente, porque tem gente que… Deixa pra lá!

Pra comer melhor? Indiretamente, em todos os sentidos…

Pra ter mais comodidade? Indiretamente, porque com o salário que recebemos… Haja poupança pra conseguir realizar sonhos materiais…

Pra ficar mais calmo e tranquilo? Indiretamente, não conheço muita gente que esteja nesta condição quando trabalhando…

Pra ter mais dignidade? Indiretamente, dependendo do chefe… Não há dignidade que resista…

Pra se sentir produtivo e responsável frente à sociedade? Indiretamente, por mais bonito que soe… muitas vezes a gente não tem o reconhecimento que merece…

Pra…

Enfim, são tantos pra, tantos indiretamente que, de quando em quando, nos perguntamos:

Pra que trabalhar?

Pra ter a certeza que, apesar de todos os pesares… Nós fazemos a nossa parte!

Que alegria!

Que alegria!

E, no fim, é isso que importa, né?!

Enfim, depois de tantas divagações…

O bar de ontem acabou sendo transferido para a próxima quarta-feira e, caso haja alguma reunião extraordinária ao longo da semana, twittaremos, ok?

Beijos e até mais meu povo lindo!